domingo, 20 de setembro de 2009

Negócios, Networking e Twitter

*por Fábio Azevedo

Empresas e profissionais que desejam construir uma excelente rede de relacionamentos, precisam se atualizar. O mundo atual, cobra um preço bastante alto, daqueles que ainda não se adaptaram às inovações tecnológicas. Estar presente, em ambientes virtuais como o Twitter, virou quase obrigação. Até parece que voltamos no tempo, quando, ainda pré-adolescentes, ouvíamos os amigos da escola ou do bairro perguntarem, se ainda não tínhamos comprado o tênis ou a calça da moda. Hoje, somos medidos pelas redes sociais que frequentamos. Mas a verdade é que, estar presente no mundo virtual, tem seus benefícios, e posso afirma que são muitos!

Para os que sonham com uma rede de negócios ampla, bem horizontalizada e com membros influentes, desenvolver relacionamentos é fundamental. Não importa se isso acontece pela internet, celular ou tête-à-tête, o que interessa de fato, é o seu desempenho nesta atividade. Construir e desenvolver redes de relacionamento produtivas, é tarefa para profissionais, pessoas que realmente se dedicam ao ato de construir amizades, seja no âmbito corporativo ou não, afinal, todos nós trabalhamos com alguma coisa, e certamente um dia, indicaremos ou precisaremos dos produtos ou serviços de outros.

Se analisarmos bem. Qual a diferença entre todas estas ferramentas de mídia social que surgiram nos últimos tempos? Para mim, somente as formas como elas são acessadas! Só isso! Pois o D.N.A de todas elas chama-se R-E-L-A-C-I-O-N-A-M-E-N-T-O. Nós, seres humanos, temos uma necessidade altíssima de manter contato, conversar, trocar experiências, estar perto de outras pessoas, nem que seja, para apenas ver o que elas estão fazendo, gente gosta de gente! Somos seres sociais, extremamente interligados, e precisamos sempre, saber o que acontece com o outro, seja ele de outro bairro, estado ou país.

É exatamente isso que se esconde debaixo de todas estas novas formas de comunicação, precisamos aprender a utilizar tais ferramentas em nosso favor, não importa à qual você pertence, Orkut, Facebook, Flickr, MySpace, Youtube, Linkedin, você precisa ser um bom gestor destes espaços, um gestor de relacionamentos.

Segundo a revista Veja, nenhum outro país do mundo, possui tantos adeptos de redes sociais como o Brasil, ultrapassando a casa dos 29 milhões de usuários. O Twitter, também não foge a regra, e muitos apostavam que ele não iria deslanchar, mas dia-a-dia, milhares de pessoas no mundo, encontram uma nova função para ele, e ainda criam programas e funcionalidades para maximizar o desempenho desta ferramenta. Para termos uma idéia, o número de pessoas cadastradas no Twitter em 2008, teve um crescimento de 900%, e atualmente já passam de 55 milhões. Mas o que importa nisso tudo, é aprender como utilizar estas ferramentas em nosso favor, e de que forma, vamos aumentar e qualificar nosso Networking.

Informações aparentemente irrelevantes nas redes sociais, revelam o perfil consumidor de milhares de clientes, minuto a minuto, e isso vale ouro para empresas que desejam melhor posicionamento no mercado e preocupam-se com seu branding. Podemos assim, perceber o poder que estas redes sociais terão em poucos anos, quando estivermos falando não mais de Web 2.0, mas sim de versões 3.0 ou 4.0, que priorizarão o cruzamento destas informações. Uma inteligência coletiva, que traçará um perfil macro deste consumidor do futuro, que terá suas opiniões e hábitos de consumo mapeados detalhadamente, desde de o que você lê, escuta e assiste, até ao que você come, bebe, veste e pratica, enfim, você será a moeda do futuro! E neste novo mercado, um Networking bem estruturado e administrado será essencial para o sucesso!

Hoje, a grande parte daqueles que utilizam o Twitter, gera e consome conteúdo, seja ele pessoal, jornalístico ou de negócios, e as pessoas deixam ali, sem perceber, seus hábitos, seus costumes, um pequeno diário de seus cotidianos. Surge um novo mundo, comandado pelas mídias sociais, no qual a informação sai do formato, um para muitos, e transforma-se em um grande fenômeno de descentralização. Gerando assim, conteúdo de muitos para muitos!

No caso específico do badalado Twitter, as finalidades são muitas, e a cada dia, surge um novo Gadget, uma nova função, que pode maximizar relacionamentos e principalmente os negócios. Por exemplo, tenho muitos seguidores que me enviam de tudo, profissionais contando fatos corriqueiros do seu cotidiano, pedidos de emprego, perguntas sobre o mundo dos negócios, agências de notícias que em tempo real revolucionam o jornalismo moderno, e empresas vendendo seus produtos e serviços. Mas o que realmente acho incrível, são aqueles que já descobriram no Twitter, além de uma excelente ferramenta de vendas, um fantástico e primoroso construtor de redes de relacionamento, que bem cuidado, pode maximizar seu Networking e render muitos novos contatos e negócios.

Twittar é uma tarefa extremamente importante quando nosso objetivo é ser visto! E além de divulgar nossa imagem e ou produto, receber em tempo real, o feedback do consumidor, que pode expressar-se por um canal direto. E é esta atenção e velocidade que cativa, mas para que o “encanto” não se quebre, é preciso estar de olhos abertos, e atento às necessidades, respondendo dúvidas e reclamações de maneira rápida, cordial e profissional.

Costumo usar o Twitter para divulgar negócios e lançamentos de minhas empresas, notícias que acho pertinentes aos meus seguidores, artigos que escrevo, e também, como um forte canal direto de relacionamento. E já conheço um bom número de empresários, que abriram seus olhos para esta nova ferramenta, e utilizam o miniblog para conversar com seus consumidores, lançar promoções e vender produtos variados, que vão de canetas e celulares, até lanchas, casas, carros e aviões.

É disso que estou falando, mobilidade aliada a habilidade para gerar negócios e para construir relacionamentos! Por isso, precisamos realmente aprender como e quando fazer uso destas inovações, os horizontes são imensos, posso até dizer, sem limites! Pois esta cascata tecnológica que cai sobre nós, gera mais inovações em cadeia, e este avanço, está nos levando para um novo e diferenciado modelo de relacionamento, no qual, os negócios acontecerão sem limites físicos. Mas não devemos esquecer, gente é gente! Gostamos de nos relacionar, conversar, ter atenção, conhecer pessoas e culturas diferentes, e Networking se desenvolve assim, dizendo pra todos o que você faz, batendo papo, sendo visto, e principalmente, sendo lembrado!

Se você ainda não faz uso das mídias sociais, faça uma experiência, é de graça! Crie perfis específicos para os tipos de relacionamento que deseja ter, pessoais ou corporativos. Tenha cuidado ao misturar vida pessoal e trabalho! Seja extremamente cordial, sério e profissional. Esta política é observada e respeitada por aqueles que participam de tais mídias, e você logo perceberá, que os resultados começarão a surgir, e poderá então, reconhecer de imediato, aquilo que não funciona e o que funciona de fato no seu caso. Lembre-se que você não precisa participar de todas as redes sociais existentes, e com o tempo e experiência, naturalmente utilizará mais, aquelas que melhor se adaptam ao seu perfil, e que lhe trazem maior número de feedbacks.

Para encerrar, eu não poderia terminar este artigo, sem convidar a todos para um bate-papo no Twitter, estou à disposição daqueles que desejam conversar um pouco mais a respeito de Networking, esta nobre arte de construir relacionamentos, e também, aberto a oportunidades e a realização de bons negócios!

Nos vemos no twitter.com/fabioazevedo , até lá!

Fábio Azevedo
www.twitter.com/fabioazevedo
www.saladetreinamento.blogspot.com
www.fabioazevedo.net

*Fábio Azevedo
Empresário, Diretor de Desenvolvimento e Relacionamento com o Mercado da GT Editora. Escritor, roteirista, professor, palestrante, consultor de negócios na área imobiliária e de franchising. Colunista e articulista, escreve no Brasil e exterior para várias revistas, jornais, sites e portais na internet, sobre vendas, networking, gestão, liderança, franquias, marketing, estratégia, inovação e empreendedorismo.

sexta-feira, 18 de setembro de 2009

Para quem eu trabalho?

 

Para quem eu trabalho?

Por Marcelo Gonçalves*

         Vivemos um momento em que o mercado de trabalho está cada vez mais competitivo. Algumas qualificações profissionais consideradas diferenciais no passado passaram a ser obrigatórias. Possuir fluência em inglês, MBA, pós-graduação e outros cursos de especialização já não é mais garantia de empregabilidade. Então, como construir uma carreira sólida, sustentável e que, independente do atual emprego, permita ao profissional se manter ocupado?

         Antes de responder à pergunta anterior, devemos nos perguntar: Para quem eu trabalho?

         Muitos responderão o nome do seu líder ou da empresa. E é nesse exato momento que começamos a notar a diferença entre um profissional com uma carreira de sucesso e outro que apenas sobrevive às diversas crises.

         Enquanto o profissional não mudar sua forma de pensar e parar de considerar que trabalha para "alguém", é muito provável que ele se sinta explorado, ou comece a refletir diversas vezes durante o dia que não é remunerado adequadamente para uma determinada ocupação. Dessa forma, é inevitável que tire o pé do "acelerador", fazendo o mínimo possível para não ser disponibilizado ao mercado, termo que prefiro utilizar em lugar de demitido.

         Então, a resposta não parece simples, mas é importante pensar em quem é o responsável pelo seu Curriculum Vitae (CV). Certamente, a partir daí, você poderá chegar à conclusão de que a cada dia construímos um pouco mais nosso CV. Dessa forma, se deixar de produzir um dia, não tenha dúvidas de que amanhã vai acordar valendo o mesmo que hoje, entretanto, estará menos competitivo, pois novos profissionais ingressam todos os dias no mercado de trabalho e provavelmente trazem experiências que você deixou de adquirir.

         Não há segredos: somos remunerados pelo conhecimento que temos e, principalmente, pela forma como utilizamos esse conhecimento. É importante destacarmos que caso você receba uma proposta para a qual será remunerado por um valor muito superior ao que sabe que "vale" no mercado, não pense apenas que tirou a sorte grande, pois é muito provável que existirão riscos e, infelizmente, por olhar apenas para o salário, não conseguirá percebê-los, entrando em uma "linda piscina gelada".

         O profissional que quer construir uma carreira sólida e conquistar o sucesso sustentável deverá ter sempre em seus pensamentos a importância de se ser paciente para esperar o momento certo de ser promovido; respeitar a todos colaboradores, independente do cargo que ocupam; ter postura para servir como exemplo e referência; estudar muito e motivar a equipe para que faça o mesmo. Dessa forma, terá tudo para construir uma carreira de sucesso, mas que poderá ser bruscamente interrompida se o profissional pensar que é simplesmente o cargo que ocupa.

         Construa tudo isso, mas nunca aja com arrogância, pois a soberba mata a carreira de qualquer profissional. Ética, transparência e dedicação são três palavras simples, mas que fazem a maior diferença.

 

*Marcelo Gonçalves é sócio-diretor da BDO Trevisan.

  


Colega jornalista,

Para eventuais pedidos de entrevista com profissionais da BDO Trevisan sobre o tema do release  e do artigo acima ou sobre outros assuntos, entre em contato conosco. Caso publique ou divulgue as informações, por favor, avise-nos, se possível, respondendo a este e-mail para que possamos manter nosso clipping sempre em dia

Um grande abraço,

Carlos Brazil 


BDO Trevisan Auditores Independentes

Assessoria de Imprensa – Ricardo Viveiros & Associados – Oficina de Comunicação

Jornalista responsável – Carlos Brazil (MTb 24.098)

Tel. 11 3138-5308 – Cel. 11 9347-4901 – e-mail carlos.brazil@bdotrevisan.com.br

Supervisor – Augusto Diniz (MTb 16.453)

Tel. 11 3675-5444 – e-mail augusto.diniz@viveiros.com.br

www.bdotrevisan.com.br

 

 

ARTIGO: Muito prazer, esse sou eu

 
                                                                                                                    Muito prazer, esse sou eu

Luiz Gonzaga Bertelli*

 

Chegou a primeira temporada de fartura de oferta de estágios. Nessa época, em razão da conclusão de cursos de muitos estagiários ou do encerramento de contratos de outros tantos, aumenta o volume de vagas em aberto. Diante desse cenário favorável, o CIEE recomenda que os interessados atentem para dois pontos. O primeiro é a consulta constante às vagas disponibilizadas no site www.ciee.org.br. O segundo é a atualização do currículo postado no banco de dados do CIEE, pois a ausência de um quesito – por exemplo, a conclusão de um curso de idiomas ou de informática – poderá significar a perda da contratação.

Aqui, vale um conselho: o primeiro passo que o recrutador dará, para preencher uma vaga de estágio, é analisar o currículo do candidato.

Mas redigir um currículo atraente não é tão difícil, pois há normas que servem de orientação. A regra mais importante é uma só: menos é mais, pois o selecionador raramente lerá mais de uma ou duas páginas de papel sulfite. Esse espaço é suficiente para conter os cinco blocos indispensáveis para organizar o conteúdo. O primeiro deve conter dados pessoais atualizados, incluindo números de telefone e endereço de e-mail. Depois, vem o objetivo, em que o candidato contará em poucas linhas qual é a área de interesse e um resumo de suas qualificações. No terceiro bloco, entra a formação acadêmica – o nome da escola em que se cursou o ensino médio, no caso de candidatos universitários, aparece somente se for de extrema relevância –, sem se esquecer de dizer qual é a previsão de término do curso.

O quarto bloco relacionará as experiências profissionais anteriores e pode ser suprimido, caso o jovem não as tenha. E, por fim, informações adicionais que podem diferenciar o candidato dos demais, tais como: conhecimento de idiomas e programas de informática; vivências internacionais; cursos, seminários e palestras a que tenha assistido, etc.

Todas essas dicas e muitas outras fazem parte do curso Currículo sem segredo, que é feito gratuitamente no site www.ciee.org.br. Os estudantes cadastrados no CIEE têm outro benefício: ao clicar a opção "Currículo" do portal, o sistema gera automaticamente ­– e na formatação valorizada pelo mercado ­– um documento com todas as informações previamente registradas. Agora ficou fácil.

 

*Luiz Gonzaga Bertelli é presidente executivo do Centro de Integração Empresa-Escola (CIEE), da Academia Paulista de História (APH) e diretor da Fiesp.

 

segunda-feira, 14 de setembro de 2009

Superempreendedores Brasileiros na XIV Bienal do Rio de Janeiro

Superempreendedores Brasileiros na XIV Bienal do Rio de Janeiro
*por Fábio Azevedo



Neste último fim de semana, conversando com um grupo de amigos, comentei que eu e meus sócios estaríamos presentes na XIV Bienal do Rio de Janeiro, e um deles me perguntou:
Isso parece loucura, como sua empresa sobrevive? Como se ganha dinheiro com histórias em quadrinhos no Brasil?
Feliz com a curiosidade, eu respondi o seguinte:
Dentro do cenário editorial nacional, os últimos anos têm trazido mudanças significativas, e a crise mundial também afetou severamente o mercado de publicações em quadrinhos.
Focado anteriormente na produção de conteúdo para um público majoritariamente infantil, e com poucas opções de títulos e autores, os leitores atuais já possuem maior variedade nas gôndolas de bancas e livrarias do País, contando com títulos que alcançam um maior público juvenil e adulto. Mas esta mudança veio acompanhada de fenômenos que causaram mutações no cenário global e nacional. Megaeditoras e seus títulos tradicionais, foram atingidas em cheio, e adaptações tiveram que ocorrer, para que personagens que arrecadam bilhões de dólares ao redor do mundo, não desaparecessem subitamente do setor de licenciamento.
No Brasil, o reinado de algumas editoras que publicam quadrinhos já beira os 40 anos, mas só agora, algumas delas, estão conseguindo se atualizar, dando novo formato aos seus personagens e publicações, sob pena de perderem definitivamente a atenção do consumidor, caso não se enquadrem no perfil de consumo desta nova e exigente geração.
Muitos ainda associam os personagens e suas histórias em quadrinhos a “coisas de criança”, mas neste mercado, também de “gente grande”, os ídolos de nossa infância valem muitos cifrões, e são sempre horizontalizados de forma multimídia, para que ocupem totalmente este precioso espaço nos seguimentos do comércio e indústria, desenvolvendo um processo de alavancagem que movimenta trilhões de dólares, abarrotando as prateleiras do varejo ao redor do globo.
Neste universo que há muito tempo vive entre ratos, patos, gatos e cachorros falantes, turminhas animadas e muitas aventuras, um seguimento específico ganha mais e mais “poderes” a cada dia, os super-heróis! Movimentando fortemente o setor de entretenimento com produtos para cinema, TV, internet, celulares, games e outras mídias, os superpoderosos personagens são responsáveis por faturamentos astronômicos, e os conglomerados corporativos que os coordenam, não abrem mão de conquistarem cada vez mais espaço no fantástico mundo do entretenimento. Situações que somente são percebidas por alguns, quando anúncios de mega-aquisições são feitos à imprensa mundial, como a realizada na última semana, pela Walt Disney Co., que fechou acordo para a compra da Marvel Entertainment Inc. por US$ 4 bilhões. A Marvel, hoje, é a editora de quadrinhos que publica super-heróis clássicos, como os X-Men, Homem-Aranha, Hulk, e conta com um portifólio de mais de cinco mil personagens. Com esta aquisição, a Disney visa crescer e ampliar a criação de conteúdos e empreendimentos, além de recuperar o espaço perdido em bancas e livrarias, já totalmente tomado pelos inúmeros títulos de super-heróis em todo o planeta, que retiraram das prateleiras, personagens históricos, como Mickey, Pato Donald e Tio Patinhas.
Este macromercado de super-heróis, possui suas raízes nas tão antigas e cativantes histórias em quadrinhos lançadas no início da década de 1900, e consagraram o estilo super-herói a partir de 1938, com o surgimento da revista do super-homem nos E.U.A. Este fenômeno mundial, vem despertando o interesse dos editores brasileiros para uma nova oportunidade, novas tendências mercadológicas que atingem um público enorme, formado por crianças, jovens e adultos, que passam de geração para geração, a sua paixão pelos heróis que povoam o inconsciente coletivo. Construindo assim, consumidores fiéis, que fazem de tudo para possuírem qualquer novidade a respeito de seus ídolos prediletos. Diante disto, podemos perceber, que este é um grande negócio, com vida longa, mas somente os extremamente competentes e persistentes conseguem sobreviver.
Desde muito jovem eu ouvia o seguinte ditado: “O empreendedor quando inicia seu negócio em meio às dificuldades, ‘é um louco teimoso’, mas quando vence e faz fortuna, é um ‘visionário’ que persistiu e acreditou no sonho!” No Brasil o mercado editorial de quadrinhos ainda engatinha. Pois poucos “visionários” entendem a amplitude deste universo, que ainda está virgem por aqui. Mas como diria o poeta, “toda grande jornada começa com o primeiro passo”, e sei que, vários outros “loucos visionários” estão comigo nesta caminhada.
Até agora, foram praticamente 1800 dias de trabalho ininterrupto desde o lançamento dos Guerreiros da Tempestade, grupo de super-heróis genuinamente nacionais, que arrebatou fãs no Brasil e também no exterior, ganharam força no mercado editorial nacional e tornaram-se uma publicação de referência no seguimento, conquistando seu espaço no mundo dos negócios, sendo escolhida como a melhor idéia do ano no setor de licenciamento, durante a feira Brazil Promotion Idea – 2006. Neste evento de dimensão internacional, nossa publicação concorreu com gigantes do mercado como: Universal Pictures; Warner Bros; Globo Marcas, Marvel (ITC América), entre vários outros pesos pesados internacionais. E Recebeu além do 1º e 3º lugares na categoria de marcas, personagens e celebridades, o título de 1ª licença de um universo de super-heróis brasileiros do mercado.
Como Empreendedor e Desenvolvedor deste projeto genuinamente brasileiro, utilizamos todos os nossos superpoderes e conquistamos nosso espaço, e pouco a pouco, estamos escrevendo nossos nomes na calçada da fama do mundo do entretenimento nacional.
A nossa publicação em quadrinhos já conquistou credibilidade e aceitação no mercado com os primeiros super-heróis brasileiros a entrarem no circuito editorial nacional, e chamaram a atenção de Diler Trindade, outro empreendedor “louco e visionário”, um dos produtores mais promissores do mundo, e atualmente o maior produtor cinematográfico do Brasil. Que decidiu transformar os Guerreiros da Tempestade, em um marco para o cinema nacional, pois fará com os personagens, o primeiro longa-metragem animado de super-heróis do País. Trazendo na bagagem mais de vinte anos de experiência, Diler é um dos “loucos visionários” mais importantes do mercado de cinema nacional, e acumula mega sucessos de bilheteria como as produções de: Renato Aragão, Xuxa, Maurício de Souza, entre vários outros cases bem sucedidos.
Outro “louco teimoso e visionário’”, que também enfrentou várias críticas, foi meu sócio e autor dos Guerreiros da Tempestade, Anísio Serrazul. Ele sempre acreditou que um dia veria seus personagens publicados e espalhados pelas bancas de todo o Brasil. E hoje, quando olhamos juntos para nossos resultados, nos orgulhamos de dizer, que os frutos deste sonho estão “voando” por aí, com seus uniformes estilizados, vivendo aventuras fantásticas, defendendo o nosso País de perversos vilões. E em breve, pousarão nas telas de cinema e nas TV’s de todo o Brasil, e ocuparão as prateleiras de todo o varejo mundial.
A espaçonave Guerreiros da Tempestade, que já alcançou altitude de cruzeiro, neste mês, conquista mais um destino, e lança uma edição especial de nossa publicação principal, para isso, convidamos a bordo, mais um parceiro para esta “missão”, a Editora Kelps, do empresário Antônio Almeida, que da mesma forma que toda a equipe dos Guerreiros, também é um “visionário”, conhecido por ser um dos maiores incentivadores da cultura na região centro-oeste do País. Este novo tripulante, leva os Guerreiros da Tempestade para o maior evento literário do Brasil, a XIV Bienal Internacional do Livro do Rio de Janeiro, que acontece de 10 a 20 de Setembro, no maior centro de convenções da América Latina, o Riocentro. Espaço no qual os Heróis Brasileiros estarão lado a lado, com outros tantos que desbravam e constroem a indústria de entretenimento nacional.
Como Empreendedor e Desenvolvedor do projeto Guerreiros da Tempestade, fico feliz de ter encontrado tantos “loucos” pelo caminho, e junto com eles, fazer parte deste projeto tão gratificante, construindo um dos pilares da indústria de entretenimento nacional. E assim, poder motivar outros “visionários”, que também já ouviram muito sobre “teimosia”, “coisas de criança”, e outros “elogios” do tipo, que só nos servem de matéria prima para a construção de nosso sonho, no qual vislumbramos uma forte indústria de entretenimento brasileira, que empregará milhares de pessoas, terá total incentivo de nossos governos, e irá gerar muitas divisas para o nosso tão talentoso País.
Ainda bem que trabalhamos com super-heróis, vivemos neste “planeta empreendedorismo”, já recebemos nossos poderes “intergalácticos visionários”, e hoje, temos uma equipe superpoderosa, disposta a tudo para concluir com sucesso está fantástica missão!
Afinal pessoal, estou aprendendo que este mercado realmente é para “gente grande”! E nele, somente “loucos” e “teimosos” superempreendedores conquistam espaço e se estabelecem!


*Fábio Azevedo
Empresário, Diretor de Desenvolvimento e Relacionamento com o mercado dos Guerreiros da Tempestade. Escritor, roteirista, professor, palestrante, consultor de negócios na área imobiliária e de franchising. Colunista e articulista, escreve no Brasil e exterior para várias revistas, jornais, sites e portais na internet, sobre vendas, networking, gestão, liderança, franquias, marketing, estratégia, inovação e empreendedorismo.
www.fabioazevedo.net
www.twitter.com/fabioazevedo

quinta-feira, 27 de agosto de 2009

Sustentabilidade também se aplica à área de recursos humanos

 

Sustentabilidade também se aplica à área de recursos humanos

 

Sólon Cunha*

 

Práticas agressivas de Recursos Humanos (RH) visando o lucro sem fronteiras é coisa do passado. Assim como a política paternalista que pratica o assistencialismo puro, não permitindo ao trabalhador que se aprimore. O bom gestor cuida da qualidade de vida e da saúde de seus trabalhadores, agindo com transparência e estimulando o progresso das pessoas que, em última análise, serão o futuro do seu empreendimento. 

 

Parceiros, clientes e fornecedores, buscam o que denomino de "equilíbrio sustentável" nas relações humanas e a sociedade exige que se trate os trabalhadores com respeito e dignidade. O consumidor integra esse grupo, porque rejeita ofertas de organizações que se mostram displicentes nas relações humanas; e no futuro escolherá produtos e serviços das empresas com o RH sustentável. Acredita-se que essa evolução fará com que apenas os corretos sobrevivam. 

 

A sustentabilidade em recursos humanos é o equilíbrio das relações e das decisões. É olhar para o próximo com o mesmo carinho que gostaria que olhassem para Você. Gerenciar o departamento de RH é gerir pessoas, depois carreiras e, enfim, resultados, nessa ordem. O excelente resultado é sempre obtido pelo grupo de bons profissionais, com carreiras construídas na devida maturação, suportadas pelo caráter de boas pessoas. A fórmula mostra que o resultado é a conseqüência da política sustentável. 

 

No gênero, o RH sustentável é definido como uma política de gestão de pessoas que seja focada no socialmente justo, de modo aceito pela cultura local, estimulando atitudes ecologicamente corretas mas, sempre, mostrando-se economicamente viável. 

 

Para começar, o gestor de RH não deve julgar o trabalhador por seu sexo, cor, idade, religião ou classe social e, sim, buscar a diversidade de pessoas. Cada ser humano é criado dentro de características diversas e cresce com experiências e história de vida distante do "padrão" imaginário de seu empregador. Existem CENTENAS de estudos que demonstram que a diversidade de pessoas na empresa é fundamental na busca de resultados. É muito importante prestigiar a heterogeneidade na formação da equipe: várias classes sociais, religiões, casados e solteiros, etnias diversas. Grupos que analisarão a diversidade de desafios com as mais variadas opções de solução.

 

Toda empresa, independentemente das quotas exigidas em lei, deve contratar pessoas com deficiência (ou Portadores de Necessidades Especiais – PNE), não só para que sejam "incorporadas" à sociedade, mas, também, para que os demais trabalhadores aprendam o quão rica será essa convivência. Os relatos de pessoas que têm na sua equipe um PNE são impressionantes. Acreditem: é uma experiência a ser vivida.

 

A carreira deve ser desenvolvida de forma a satisfazer as necessidades dos presentes, no entanto, sem comprometer as gerações futuras. Gestão de carreira passa pela formação de talentos, criação de gestores, retenção de pessoas talentosas e passagem do bastão, com despedida e aposentadoria digna aos que se retiram. Aposentados que podem ser revisitados como consultores e verdadeiros conselheiros. 

 

Equilibrar o convívio das comunidades humanas com o meio ambiente também é função do RH. Algumas empresas chegam a vincular as metas de remuneração variável a incentivos à reciclagem e a reutilização de materiais e ao uso racional de água e energia elétrica.

 

A prática do RH sustentável se estende aos "terceiros" que prestam serviços ao tomador, numa vigilância técnica e procedimental. Não se deve contratar terceiros que tenham relações precárias com os trabalhadores. Essa vigilância se estende ao pagamento de impostos e tributos pelo contratado. Existe a busca pelo equilíbrio do balanço financeiro, mas com políticas trabalhistas justas. A precarização é combatida por toda a sociedade como, por exemplo, na erradicação do trabalho infantil e do trabalho forçado. Terceirização não é a desobrigação de encargos sociais, nem a redução de salários, ou a subcontratação de fornecedores, nem modismo administrativo ou remédio para crises contingências. A terceirização busca a contratação de serviço (e não de pessoas) de empresa especializada, reduzindo custos e perdas, em busca da melhor produtividade. 

 

O RH do bem tem como Valores: a Ética, a Humanização, a Excelência Técnica, a Confiabilidade, a Capacitação Profissional, o Compromisso Social, a Isonomia de Tratamento em busca da QUALIDADE COM EFICIÊNCIA!

 

 

* Sólon Cunha é advogado, mestre e doutor em direito trabalhista e sócio do escritório Machado, Meyer, Sendacz e Opice.

 

terça-feira, 25 de agosto de 2009

Conferir "A Alegria de Atender - Curso de Atendimento ao Cliente com desconto para os membros Revista Partes" em Revista Partes

Revista Partes
A sua Revista Virtual
Gilberto da...
Conferir 'A Alegria de Atender - Curso de Atendimento ao Cliente com desconto para os membros Revista Partes'
Aproveitem leitores e membros da revista Partes
Link:
A Alegria de Atender - Curso de Atendimento ao Cliente com desconto para os membros Revista Partes

Sobre Revista Partes
Espaço dedicado especialmente para o leitor e colaborador da Revista Virtual P@rtes. Entre, opine, faça sua crítica e se relacione..
Revista Partes 28 membros
46 fotos
 
Para controlar os emails que você receberá em Revista Partes, clique aqui

sexta-feira, 21 de agosto de 2009

Ser bem atendido....

Artigo: Você não precisa comprar para ser bem atendido... Ou será que precisa?

Se você questionar à um profissional de vendas se a abordagem que realiza tem como principal direcionamento o produto, ou a abordagem é centrada no cliente, qual será a resposta? Pode parecer assustador, mas há pessoas que atuam no contato direto com o cliente, pessoalmente ou por telefone, que podem demorar um bom tempo para responder esta pergunta, pois na realidade, somente oferecem um bom atendimento se o comprador demonstrar algum sinal de compra. Quando a pessoa direciona a abordagem no produto, transforma a apresentação em um monólogo, com a ação direta de prometer muito e fazer na prática pouco. Entretanto, quando a pessoa direciona a abordagem comercial para um diálogo interativo, com habilidade para realizar perguntas e envolver o cliente, transforma a apresentação em uma conversa agradável e, como resultado, conquista a credibilidade de prometer o essencial e assumir o que foi acordado.

Perceba que há duas opções de abordagem, no entanto, o profissional que atua em vendas, jamais deve prestar um bom atendimento somente ao cliente que demonstrar interesse de compra. Há vendedores, balconistas e gestores de vendas que gostam de afirmar que o diálogo com o cliente, mais parece um brainstorm do que propriamente a ação de vender. Em outra perspectiva, há pessoas despreparadas, que não são capazes de realizar um esforço para mostrar um diferencial, se o cliente logo no início do contato comentou que esqueceu a carteira com o talão de cheque e os cartões de crédito em casa. Parece incrível, mas existem pessoas mal preparadas para atender que ao contrário de atrair clientes, são capazes de afastar para sempre o consumidor, principalmente por não praticar um bom atendimento. Realize a leitura, aplique as duas sugestões a seguir e perceba que o cliente, não precisa comprar para levar da sua empresa, uma imagem positiva com credibilidade, valorização de relacionamento e desejo de voltar.

Exercitar o treinamento de ouvir com sintonia fina - Quando era criança, lembro que meu avô, tinha apoiado em uma estante, um rádio de madeira que funcionava através de sistemas de válvulas. Cada frequência de rádio exigia o esforço de girar o botão da sintonia fina para encontrar a perfeição. O detalhe é que minha avó tinha como hábito ouvir a missa e meu avô, assim que terminava a celebração, girava os botões para sintonizar outras estações de rádio. Ao recordar este fato da minha infância, percebo que cada cliente requer um esforço de encontrar a sintonia perfeita através do diálogo e da empatia. Note que quando duas lojas vendem o mesmo produto, com o mesmo preço, o que faz a diferença é o atendimento oferecido pelo profissional de vendas. Quantas vezes você comprou algo que não precisava, mas o atendimento fez a diferença? Quantas vezes você pagou um pouco mais, pois o atendimento justificou? E na sua equipe de vendas, as pessoas percebem que cada cliente exige a adaptação de uma sintonia fina? Praticam o exercício de ouvir atentamente as reais necessidades dos clientes?

Exercitar o treinamento de transformar o curioso em comprador - Quem trabalha no comércio varejista, com certeza já ouviu o cliente responder que somente está dando uma olhadinha. Deixar o consumidor observar a mercadoria é algo aceitável, mas a ação inaceitável é abandonar o cliente no interior da loja. O grande desafio está em transformar o curioso cliente em um comprador. Perceba que em muitas ocasiões, desejamos realizar uma campanha de vendas com o nosso entendimento, não com o pensamento e desejo do cliente. Percebeu a diferença? Para transformar o curioso em comprador é necessário usar empatia e observar a situação comercial com os olhos do cliente, para que desta maneira, seja possível entender o ponto de vista do consumidor. Em alguns casos, um cliente pode entrar na loja por ser um curioso, mas passa a ser um comprador quando percebe a aproximação coesa de abordagem, atenção, cortesia e respeito.

O cliente não precisa comprar para ser bem atendido e a forma mais eficaz de descobrir o que realmente o cliente deseja, está centrada na ação de fazer o consumidor descrever suas necessidades e o que verdadeiramente deseja adquirir. Observe que quando um cliente entra na loja e, por algum motivo não realiza a compra, acaba por levar da sua empresa alguma imagem sobre atendimento, a organização, o clima de trabalho, a limpeza e o cuidado dos funcionários com a apresentação e zelo pelos produtos. Quantas vezes você já foi a algum lugar e desistiu de comprar, pois as pessoas estavam descontentes com o trabalho? Quantas vezes você entrou em uma loja e não comprou, pois o vendedor esqueceu de planejar uma venda futura? Aplique as duas sugestões apresentadas e perceba que ao melhorar o diálogo com o cliente, aumenta o resultado no envolvimento com a marca, com a empresa e com o atendimento oferecido.


Dalmir Sant’Anna - palestrante na área comportamental, mestrando em Administração de Empresas (Univali), pós-graduado em Gestão de Pessoas (Univali), bacharel em Comunicação Social (Ielusc), mágico profissional. Visite o site: http://www.dalmir.com.br

sábado, 15 de agosto de 2009

 
Guarulhos - CIET soma 2.279 chances em diversas áreas
O Centro Integrado de Emprego, Trabalho e Renda (CIET) de Guarulhos, localizado na Grande São Paulo, dispõe de 2.279 vagas em aberto cadastradas em seus postos de atendimento. Trabalho – Há emprego para diversos cargos. Os que reúnem maior número de oportunidades são os de operador de telemarketing (218), auxiliar de linha de produção (109), auxiliar de carga e descarga de mercadoria (101), costureira em geral (93), costureira de máquina reta (60) e porteiro (43).
 

sábado, 1 de agosto de 2009

Educação continuada é aliada para conquista de emprego e avanço na carreira em tempos de crise mundial

 

Educação Continuada é aliada para conquista de emprego e

avanço na carreira em tempos de crise econômica

*Sérgio de Souza Carvalho Júnior

A inclusão digital nunca se fez tão necessária nos dias de hoje. De acordo com IBGE, mais de 70% dos brasileiros nunca frequentaram cursos de qualificação e 66% dos desempregados jamais passaram pelo ensino profissionalizante. Mas em períodos de crise financeira, ingressar em cursos com foco em Educação Continuada é uma alternativa essencial para se manter no mercado de trabalho, conseguir o primeiro emprego ou uma recolocação profissional, conquistar promoções e impulsionar a carreira na empresa em que atua.

Com o colapso econômico, as duas frentes mais afetadas da estrutura organizacional foram o "alto escalão" e o pessoal do "chão de fábrica", em que o funcionário sem qualificação foi demitido, assim como muitos diretores e gerentes. Por isso, atualizar-se e aprimorar os conhecimentos nunca foram atitudes tão prioritárias como hoje. O contexto atual é gritante. De acordo com dados oficiais, 53% dos alunos matriculados no Ensino Fundamental e 27% dos alunos do Ensino Médio também nunca utilizaram computador.

Todos sabem que as empresas exigem cada vez mais colaboradores capacitados. Dessa forma, a realização de cursos como o de aplicativos (Word, Excel, Power Point), de assistente administrativo, secretária administrativa, entre outros ligados à Informática e Tecnologia da Informação, são ideais. Mesmo com a crise, o profissional de base, devidamente qualificado, encontra hoje novas vagas, ao contrário do gerente que enfrenta maior dificuldade pelo alto salário e posição que ocupava.

A situação é clara: existem vagas, mas não há candidatos qualificados para ocupá-las. Números recentemente divulgados mostram que 12% das empresas em 2008 recrutaram profissionais de TI, porém, 85% delas tiveram um processo demorado por falta de qualificação deste profissional na área. Esse cenário comprova que, em qualquer situação, a capacitação será bem vista pelos departamentos de Recursos Humanos. O aluno que realmente quer fazer um curso profissionalizante de peso tem todas as condições de alçar voo na carreira e vida pessoal.

Outros registros apontam que 65% dos alunos que terminaram cursos de qualificação, conseguiram entrar no mercado de trabalho. Para acompanhar esse cenário, por que não se posicionar profissionalmente como Operador de Sistemas, Assistente Administrativo, Web Designer, Gestor de Projetos, Designer Gráfico, Administrador de Serviços e Sistemas, entre outras áreas estratégicas?

Vale ressaltar que os mercados de TI e Informática ainda carecem de maior quantidade de profissionais qualificados em várias frentes, desde manutenção de hardware, redes e projetos até programação e webdesigners. O mercado de cursos livres e profissionalizantes, seja na área administrativa ou com foco em Informática, está em grande expansão. As oportunidades estão aí, basta se capacitar e correr atrás de um lugar ao Sol no mercado de trabalho.

*Sérgio de Souza Carvalho Júnior é gerente de marketing do Grupo S.O.S Computadores, empresa especializada no ensino de informática e de cursos profissionalizantes.

 

sexta-feira, 24 de julho de 2009

Artigo: Sonhos de um profissional

Artigo: Sonhos de um profissional

* Washington Kusabara

O profissional pode ser entendido como uma pessoa em constante aperfeiçoamento. Em um fluxo de fabricação, onde há matéria-prima e produto acabado, o profissional deve ser como o material em processo, já que sempre há o que melhorar ou algum componente a ser acrescentado.

Estipular objetivos significa avançar pequenos passos em direção aos nossos sonhos. Ainda que para alcançar estes objetivos seja preciso passar por alguns "desvios", ou até mesmo alguns "retrocessos", o importante é perseverar e cuidar para que haja determinação e não obstinação, que pode nos "cegar" e fazer com que se perca o rumo.

Da mesma forma trabalham as empresas, já que as metas do mundo corporativo são referências circunstanciais que as companhias necessitam para sobreviver, crescer e evoluir. Diante não apenas da concorrência, mas das mudanças inesperadas dos cenários econômicos, a velocidade com que atingem estas metas é fator determinante para o seu êxito.

O alcance das metas empresariais é sempre fator de celebração e recompensa, mas a análise dos fracassos e sua divulgação, sem "caça às bruxas", também deveria ser tema importante nas empresas. Afinal, este tipo de comportamento evitaria muito desperdício de recursos, dinheiro, mão-de-obra e tempo, mas principalmente, evitaria que projetos e ações fossem arruinados e pudessem ter o seu rumo alterado. Mais que estar preparado para as oportunidades, o profissional necessita saber identificar as oportunidades e aceitar seus desafios inerentes. Focar no que é importante, definir um plano de ação e colocá-lo em prática.

Sonhos são como referências a médio e longo prazo, mas sonhar alto demais pode significar frustração e sonhar baixo demais é receita certa para acomodar-se com o "status quo". Portanto, uma certa dose de desafio é essencial para mantermos acesa a chama que nos guiará na direção dos sonhos.

Os sonhos também podem ser mudados, afinal, crescemos e amadurecemos tanto pessoalmente como profissionalmente. Assim, na medida em que realizamos um sonho, outro deve tomar lugar para manter o nosso norte atualizado. O mesmo vale para os sonhos não realizados, sem esquecer que, se a substituição de sonhos não realizados tornar-se uma constante, tornamo-nos volúveis e vazios, sem rumo aparente.

Novos objetivos devem ser estabelecidos com vistas aos novos sonhos e o aprendizado com erros e acertos será muito bem vindo, o que nos poupará desperdício de tempo e energia.

Para um entendimento maior do assunto em questão, podemos fazer uma analogia dos sonhos de um profissional com as metas de melhoria contínua de uma empresa. Enquanto o profissional precisa se auto-avaliar e entender em que posição ele está quando traça um sonho, em um processo de melhoria contínua é preciso analisar os objetivos da empresa e compreender suas necessidades táticas e estratégicas.

Ao passo que, quando o executivo traça suas prioridades e determina suas ações para alcançar o sonho, a companhia mapeia a cadeia de valor (fluxos de materiais e de informações), identifica, classifica e prioriza suas oportunidades. No caso da empresa, pode-se utilizar uma metodologia de implementação rápida, como o projeto Kaizen da TBM, que leva em conta os princípios fundamentais do Sistema Lean de Manufatura. Já para o profissional, o conhecimento e a utilização dos princípios lean em sua vida pessoal e profissional, pode render resultados muito além das suas expectativas. Sem esquecer que apenas 20% destes princípios são técnicas e metodologias, ou seja, a "inspiração". Os 80% restantes se referem à ação, mão na massa e mudança cultural (comportamental). Ou seja, a "t ranspiração". Boa sorte, inspiração e, sobretudo, muita ação!

*Washington Kusabara é diretor da TBM Consulting, uma das principais consultorias de gestão de processos do mundo.

segunda-feira, 20 de julho de 2009

O problema de sempre por outra perspectiva

 
 

O problema de sempre por outra perspectiva

Luiz Gonzaga Bertelli (*)

 

Nas últimas décadas, as pesquisas sobre o índice de desemprego oscilaram positiva ou negativamente, dependendo do contexto econômico. Um aspecto, porém, não muda nunca: sempre o maior percentual de brasileiros sem ocupação recai sobre os jovens. Antes da crise, quando o País ainda navegava um tanto lentamente nas ondas calmas da prosperidade global, o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) constatou que o desemprego na faixa etária de 15 a 24 anos é 3,5 vezes maior do que entre a de 25 anos ou mais.

O tamanho continental do Brasil pode esconder as reais proporções do grave problema, mas os sinais estão aí, à vista de quem quer ver. Por exemplo, somente o 1,5 milhão de estudantes que aguardam uma oportunidade de estágio no Centro de Integração Empresa-Escola (CIEE) supera a soma das populações da Guiana e da Guiana Francesa, que juntas se aproximam de um milhão de pessoas. Ou seja, dentro do Brasil, coexistem "dois países" que carecem de experiência profissional, pré-requisito para a conquista do primeiro emprego e seus integrantes aguardam ser chamados para estágio – modalidade de capacitação prática que é reconhecidamente a melhor porta de entrada para o mercado de trabalho. Isso só reforça a importância da missão perseguida, desde sua fundação, por nossa organização e o tanto que ainda falta a ser feito em favor da juventude.

Em 2009, o CIEE completou 45 anos de atividade filantrópica em favor do futuro das novas gerações. Fundado por empresários e educadores, nasceu treze anos antes da primeira Lei do Estágio, já visualizando na capacitação prática o atalho para diminuir a distância entre a sala de aula e a estação de trabalho – distância que, já naquela época, afligia os jovens. Por seu pioneirismo, tornou-se sinônimo de estágio, influenciou a história dessa modalidade de treinamento no País e atingiu resultados significativos. Desde sua fundação, oito milhões de estagiários foram beneficiados – população pouco inferior à da Áustria – e atualmente conta com 350 mil jovens em empresas e órgãos públicos, o que ultrapassa em algumas dezenas de milhares os habitantes da Islândia.

Para atender com o mesmo padrão de qualidade os 250 mil parceiros que o escolheram para administrar seus programas de estágio, o CIEE instalou mais de 300 unidades de atendimento em todo o Brasil e ampliou sua gama de serviços. Hoje, oferece também o projeto Aprendiz Legal, que contempla a capacitação prática de jovens inexperientes, com idade entre 14 e 24 anos, em empresas, com a complementação de cursos teóricos ministrados nas dependências do CIEE. São oferecidos quatro programas diferenciados e adaptados às áreas de atuação do jovem na empresa – Ocupações administrativas, Comércio e varejo, Práticas bancárias e Telesserviços.

A inclusão de jovens no mercado de trabalho por meio da aprendizagem teve sua importância reconhecida nacionalmente, no final do ano passado, durante a Conferência Nacional de Aprendizagem Profissional, quando o presidente Luiz Inácio Lula da Silva anunciou que o governo federal estuda mudanças legais para que o país possa absorver 800 mil aprendizes até 2010. A medida é muito bem-vinda tendo em vista que dos 1,3 milhão de jovens têm o perfil de aprendiz em todo o País, segundo o Ministério do Trabalho e Emprego, apenas 150 mil efetivamente estão contratados como tal.

Em quatro décadas de atividade, comprovou que a capacitação é o melhor caminho para garantir um brilhante futuro profissional para a juventude brasileira. Bom exemplo é o do primeiro estudante encaminhado para estágio pelo CIEE: José Feliciano de Carvalho foi contratado durante seu primeiro ano na faculdade de Direito pela Ultragaz, e a experiência lhe abriu portas, direcionando-o para o setor financeiro até ocupar um cargo de alta direção no HSBC.

 

(*) Luiz Gonzaga Bertelli é presidente executivo do Centro de Integração Empresa-Escola – CIEE, da Academia Paulista de História – APH e diretor da Fiesp.

 

quarta-feira, 13 de maio de 2009

INTELIGÊNCIA SOCIAL E A PRÁTICA DO NETWORKING

“...o ápice do sucesso profissional ou pessoal depende do estímulo,
das escolhas, e principalmente deste exercício cotidiano fantástico
que é a prática incessante do networking...”

Fábio Azevedo


Cultivar relacionamentos é literalmente construir novas oportunidades, aquele profissional que busca incessantemente relacionar-se e transitar em todas as rodas, desenvolve e aperfeiçoa sua inteligência social. O mundo já sabe que não possuímos uma única inteligência como julgávamos décadas atrás, nas quais o QI (Quociente de Inteligência) era a única medida para a inteligência de um adulto. Os primeiros testes de avaliação da inteligência, se desenvolveram na antiga China por volta do século V, com a função de orientar e “encaixar” cada indivíduo dentro de trabalhos e tarefas especificas e adequadas ao seu perfil intelectual, desta forma, o Império Chinês conquistou uma evolução gradual, tornando-se o mais influente e organizado do antigo oriente.
Mas foi Wilhelm Stern em 1912 que propôs a criação e utilização do termo QI ou Quociente de Inteligência, que representaria desta forma, o nível mental de um indivíduo. Mas somente em 1939, o primeiro teste de QI foi elaborado de forma explícita com aplicação em adultos, por David Wechsler. Um passado recente, mas já superado pela psicologia moderna. Mesmo ainda utilizados, sabe-se que os testes de QI atuais, já não medem mais o nível real da inteligência, alias, ainda não existe um consenso, uma unanimidade sobre o que realmente é “inteligência” e seus fatores medidores projetados teoricamente. Identificar os níveis da inteligência humana é um trabalho muito mais profundo, que desce a níveis ainda obscuros da mente humana.
O renomado psicólogo Daniel Goleman, autor do best seller Inteligência Emocional, criou um guia para a compreensão e utilização desta inteligência, e ao contrário das aplicações e diretrizes do QI, estável ao longo da vida do indivíduo, ele define que a inteligência emocional pode ser desenvolvida ao longo da vida. Em resumo, podemos aprender a utilizar as competências da inteligência e assim, evoluirmos intelecto e socialmente!
Goleman nos mostra que a inteligência social é a real aplicação da inteligência emocional no mundo das relações interpessoais. Desta forma, começamos a compreender que para sermos socialmente inteligentes, precisamos de fato, conviver socialmente. Isso mesmo, nós construímos e desenvolvemos a inteligência social interagindo no meio em que vivemos, estimulando nosso cérebro com cultura, conhecimento, costumes, hábitos. Essas experiências novas e contínuas, desencadeiam valiosas conexões neurais em nossa máquina cerebral, que moldam nossas emoções, criando desta forma, um ser humano sociável, empático, totalmente adaptável ao meio e ao convívio social.
No mundo atual, vivemos a era das inteligências múltiplas, e estas, podem ser menos ou mais ativadas em nosso cérebro, e os fatores determinantes dependerão das oportunidades disponíveis no ambiente sócio-cultural, e das decisões e escolhas pessoais ou do grupo de convívio. Estes fatores são tão específicos e variantes, que moldam o ser humano como espécime único, com inteligências diferenciadas e totalmente adaptadas ao meio.
Uma das competências mais requisitadas e apreciadas no universo profissional é a inteligência social, capacidade que proporciona maior colaboração entre indivíduos, desenvolvendo a empatia e a habilidade de trabalhar em grupo e conviver em comunidade, com maior interação, envolvimento e comprometimento.
Praticar networking, é sem dúvida alguma praticar o desenvolvimento da inteligência social, este exercício diário tão presente na vida dos que habitam o mundo dos negócios, deve ser feito por toda e qualquer pessoa, e até mesmo aqueles que não sabem o que significa networking, o praticam diariamente em menor ou maior grau.
Goleman nos ensina que a “construção dos nossos relacionamentos” - vamos chamar aqui de networking -, não moldam apenas nossas experiências, mas principalmente nosso corpo físico, literalmente nossa biologia. Isso pode nos afetar de maneira maligna ou benigna, pois somos o que vivemos! Relacionamentos desagradáveis constroem verdadeiras “bombas-relógio” emocionais dentro de nós, que são montadas lentamente ao longo da vida, prontas para explodir tomando formas como: Descontrole emocional, estresse, ansiedade, doenças cardíacas e respiratórias, úlceras entre tantos outros males que afligem a população contemporânea.
Já os relacionamentos agradáveis, são celeiros de experiências positivas e saudáveis ao nosso corpo e principalmente ao cérebro, abastecendo-o de informações que construirão o ser profissional e social que nos tornamos pouco a pouco, apto e disposto ao relacionamento interpessoal.
Obter os benefícios do networking não é difícil, mas exige empenho e dedicação full time, pois como vimos até agora, estamos sempre em processo contínuo de trabalho e desenvolvimento de nossa inteligência social. Um cérebro menos ou mais sociável, é fruto do exercício do convívio, do relacionamento e do acúmulo de experiências desde a mais tenra idade.
No mundo dos negócios, os que possuem cérebros mais sociáveis, são os que quase sempre puxam a fila dos bem sucedidos, dos exemplos a serem seguidos, aqueles que servem de estímulo para alcançarmos nossos objetivos de sucesso.
Podemos concluir, que conquistar o ápice do sucesso profissional ou pessoal depende do estímulo, das escolhas, e principalmente deste exercício cotidiano fantástico que é a prática incessante do networking, que nos leva de encontro a redes de relacionamento sólidas, gerando experiências valiosas, que lapidadas pelo convívio, constroem nossa inteligência social.
Networking é muito mais que relacionamento, seria desperdício adjetivar de forma tão simples uma prática tão importante para a nossa formação humana. Fazer networking é realmente transpirar emoções, como diria Goleman, “interagir cérebro a cérebro”, e é exatamente a química desta mistura de experiências, vidas, emoções e inter-relações, que produz a fórmula para a criação dos “seres humanos de sucesso”.
Por isso, não perca tempo, comece agora a construir relacionamentos, interaja, participe, opine, conviva, faça parte, pratique networking com sua alma e seu corpo, e não esqueça do órgão principal, seu cérebro, pois ele é a residência de sua tão valiosa inteligência social.


Sucesso sempre!


Fábio Azevedo
www.fabioazevedo.net


* Fábio Azevedo é empresário, consultor, palestrante, escritor e professor da escola do varejo – CDL Goiânia, escreve periodicamente, no Brasil e no exterior para várias revistas, jornais, sites e portais na internet, sobre vendas, qualidade de vida, gestão, liderança, comportamento, networking, franquias, marketing, estratégia, empreendedorismo e inovação.
www.fabioazevedo.net



Participe da Comunidade NETWORKING - O CAMINHO DO SUCESSO ! Administradores VOCÊ NA REDE - VOCÊ S/A.

Aumente sua rede de relacionamento e faça bons negócios.
http://www.administradores.com.br/comunidades/networking_o_caminho_do_sucesso/76/

terça-feira, 12 de maio de 2009

O que sua organização oferece aos colaboradores para eles se superarem?

 

 

Romain Mallard* 

"A verdade de amanhã nasce do erro de ontem" comentava Antoine de Saint-Exupéry. Os tempos turbulentos durante os quais muito se fala sobre os excessos que levaram ao caos são, muitas vezes, momentos propícios para desenhar novas bases para o futuro. 

 

No momento em que a otimização dos processos deixa de ser uma alavanca de diferenciação e competitividade para as organizações e se transforma em requisito básico de sobrevivência, quais são os recursos necessários para criar valor e se destacar no mercado? Os recursos humanos são o principal catalisador da inovação e devem estar no centro das estratégias para sair na frente nesta crise. Mas enquanto a indústria do entretenimento conhece a maior revolução da sua história com a web 2.0, como desenvolver recursos on-line que não deixem os colaboradores frustrados com o que a sua organização oferece para que eles se superem? 

 

As melhorias significativas feitas na área de qualidade nas últimas duas décadas levaram ao desenvolvimento de sistemas de gestão  modernos e robustos, que permitem acompanhar de perto os indicadores-chave do negócio. Nesse processo de re-engenharia organizacional, os colaboradores foram beneficiados por métodos mais eficientes, porém, foram também naturalmente sujeitos a uma "otimizaçao" de seus cargos, visando sempre uma maior eficiência, ou seja, maior retorno sobre o investimento em capital humano. Todos tiveram que aprender a fazer "mais com menos".

 

Nesse processo, a lucratividade cresceu de maneira atraente para os investidores que se acostumaram com uma rentabilidade proporcional a essa otimização. Porém, à medida que as maneiras de fazer são aprimoradas ou até automatizadas, nossas organizações parecem se reverter contra os interesses dos seus membros, numa cíclica "reestruturação" dos seus recursos. Isso leva o paradigma da otimização aos seus limites, surtindo efeito contrário às expectativas, uma vez que desmotiva colaboradores dos quais se exige cada vez mais, sem oferecer a eles as reais condições de assumir plenamente suas responsabilidades.

 

Ainda neste contexto, não podemos esquecer que um profissional que está hoje com 30 anos, tinha exatamente 10 anos quando sonhou com o primeiro game boy e aproximadamente 20 anos quando descobriu a internet na faculdade. Essas pessoas passam, em casa, um tempo maior na frente do computador do que na frente da TV (os brasileiros são os maiores usuários com, em media, mais de 23 horas por semana), sendo que 85 % deles acessam redes sociais e quase todos assistem a vídeos on-line e usam o telefone celular não apenas para fazer ligações, mas também para receber notícias, atualizar seus blogs e usar outros serviços da rede (a Apple está comemorando 1 bilhão de downloads de aplicações para iPhone).

 

Quando esses potenciais talentos chegam às empresas, muitas vezes se deparam com uma realidade bem diferente. Muitas organizações ainda enxergam serviços on-line (redes sociais, blog, compartilhamento de vídeos, etc) como uma ameaça à produtividade e usam o espectro da segurança da informação como justificativa para restringi-los em vez de administrá-los. Quando o assunto é capacitação, o caminho ainda é muitas vezes de se deslocar para participar de um curso expositivo, à moda antiga, e voltar para casa com uma cópia impressa dos slides apresentados. 

 

Fornecer um ambiente de trabalho motivador é cada vez mais sinônimo de fornecer serviços on-line à altura do que se espera das pessoas. E na internet os padrões são mundiais, em constante evolução e ditados por empresas focadas em fidelizar o usuário, criando experiências on-line cada vez mais marcantes e envolventes. É necessário que os líderes das organizações entendam que, independentemente das suas próprias vivências em termos de capacitação, os métodos evoluíram de maneira tão radical na última década.  Deixar de investir no mundo virtual que contribui para o desempenho de seus colaboradores equivale a adotar a postura das empresas que, 20 anos atrás, desprezavam os investimentos em qualidade. Aquelas mesmas que desapareceram do mercado. 

 

Existem hoje três pilares fundamentais para ajudar um indivíduo a encarar seus desafios profissionais. Primeiro, ele precisa saber o que se espera dele de maneira constante e direta. Não pode ser feito somente uma vez por ano, durante uma entrevista de desempenho na qual seus objetivos e resultados são repassados através do telefone sem fio das hierarquias. Para isso ele tem que ter a oportunidade de visualizar, atualizar e compartilhar o seu perfil profissional on-line. Em segundo lugar, ele precisa sentir que o know-how da organização está a sua disposição, a qualquer momento e de uma maneira atraente, eficaz e fácil de atualizar.

 

Pilhas de manuais armazenadas na biblioteca da matriz ou aquele especialista que nunca está disponível para esclarecer uma dúvida não são mais uma resposta aceitável para esses profissionais. Por fim, ele precisa que a construção do seu conhecimento e o desenvolvimento de suas habilidades sejam sustentados pelo que existe de mais moderno em termos de organização do tempo, rede social, comunicação e processos de aprendizagem baseados em tecnologia (simulações, realidade aumentada, etc). Esses três pilares compõem o e-learning. 

 

"Faça o que você pode, com o que você têm, onde você está." declamava Theodore Roosevelt, 26º presidente dos Estados Unidos. Para manter esse discurso e sair na frente, cabe a quem lidera ser ousado no só na definição dos desafios, mas também disponibilizar para suas equipes inovações que façam do seu dia-a-dia no trabalho uma experiência agradável e motivadora. Isso significa que a dimensão virtual da sua organização deve ser a principal fonte de aprendizado para eles.   

 

* Romain Mallard é diretor de tecnologia da Digital SK. Engenheiro Mecânico e Especialista em Gestão da Inovação pela Universidade de Tecnologia de Compiègne (UTC), na França, e pós-graduado em Informática Aplicada pela Pontifícia Universidade Católica (PUC) do Paraná, e em Sistemas de Informação na Universidade de Tecnologia de Compiègne (UTC), França. Possui oito anos de experiência no mercado, atuando em grandes empresas.

 

segunda-feira, 11 de maio de 2009

Artigo - Resiliência no Trabalho

 

RESILIÊNCIA NO TRABALHO – UMA QUESTÃO DE ATITUDE

 

·        Ricardo Piovan

 

            De acordo com a pesquisa realizada pela ISMA-BR, 70% dos brasileiros sofrem as conseqüências do stress. Destes, 30% são vítimas da Síndrome de Burnout, um termo psicológico que descreve o estado de exaustão prolongada e diminuição de interesse, especialmente em relação ao trabalho. O termo burnout descreve principalmente a sensação de exaustão da pessoa acometida.

            Estudos também mostram que algumas pessoas passam pelo mesmo processo de pressão e adversidade no ambiente de trabalho, mas não entram no estado de estresse ou burnout, suportando a pressão mantendo-se equilibradas, isto é, sem quebras emocionais. Estas pessoas são chamadas de resilientes, pois possuem atitudes diferenciadas em relação às adversidades no trabalho ou na vida pessoal.

            Resiliência é uma palavra que vem do latim RESILIO, que significa "voltar ao normal". O conceito foi criado em 1807, pelo cientista inglês Thomas Young, que fazia estudos sobre a elasticidade dos materiais. Mais tarde, a resiliência foi incorporada pela física como a capacidade que certos materiais têm de acumular energia quando submetidos a um esforço e, cessado o esforço, retornar ao seu estado natural sem sofrer deformações permanentes. É o que acontece com uma vara no salto em altura: quando o atleta toma impulso para saltar, a vara se curva, acumula energia, projeta o atleta sobre o obstáculo e depois retorna ao seu estado normal.

            Nas últimas décadas do século 20, o termo resiliência foi abraçado pela psicologia, para denominar a capacidade que certas pessoas têm de sofrer fortes pressões ou situações de grande estresse e não quebrar emocionalmente. Na verdade estas pessoas se fortalecem neste processo, "acumulando energia" para assim como a vara do salto em altura, projetar-se para resolver as adversidades que estão passando.

            O iatista Lars Grael é um exemplo de uma pessoa resiliente. No auge da sua carreira repleta de conquistas, teve sua perna decepada pela hélice de um barco, em um trágico acidente em 1999. Anos depois voltou a competir e ganhar medalhas. "O erro das pessoas, em geral é se voltar para trás", disse Grael certa vez. "Se eu fosse comparar minha vida anterior com a que levo hoje, com certeza teria entrado em depressão. Mas não adianta olharmos para trás. Temos que lidar com o aqui e agora. Poderia ter sido pior, e tenho a obrigação de me sentir no lucro".

            Ser resiliente é uma questão de atitude, isto é, entrar em ação para solução das pressões e adversidades cotidianas. O profissional resiliênte não permite entrar na sintonia do medo e da tristeza, sentimentos estes que paralisam a pessoa impossibilitando a retomada para a ação. Não permitem também experimentar a energia da raiva, pois a raiva descontrolada apenas busca culpados em relação ao que se passa. O profissional resiliente primeiramente questiona o que deve ser feito para solucionar este problema, investigando várias opções, utilizando a sua flexibilidade e criatividade para sair do momento adverso.             Concluído este processo ele entra em ação, pois agora ele tem a tal da MOTIVAÇÃO, isto é, motivos (adquirido no processo de pesquisa) para entrar em ação e fazer o que tiver que ser feito para minimizar ou até mesmo sair da adversidade.

 

Ricardo Piovan é consultor organizacional, autor do livro "Resiliência – como superar as pressões e adversidades no trabalho". É palestrante e Coach Organizacional - www.ricardopiovan.com.br