segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

GERENCIE SUA MENTE E VIVA MELHOR

        
Nelson Tanuma          
Se ao longo da sua vida você teve  por hábito acumular tarefas inacabadas, juntar papelada inútil em suas gavetas, atulhar sua mesa de trabalho, com projetos que foram abandonados e guarda magoas por problemas de relacionamento interpessoal mal resolvidos, eu diria que você tem sérios problemas relacionados ao acúmulo de lixo mental.
          Saiba que os compromissos não concluídos consomem nossa energia mental, a qual poderia ser usada de forma útil e produtiva através da administração correta mente, começando pela faxina mental.

          Ao ignorarmos o acúmulo de pequenas pendências acabamos por ter que lidar constantemente com muitos pequenos incêndios que geram crises constantes, que nos sobrecarregam de tarefas a realizar, e que nos transformam em ansiosos crônicos, com preocupação orientada para as incertezas futuras.
          Posso dizer que eu também ainda não consegui me livrar totalmente desse mal, já que estamos no final de novembro de 2010, e percebo que acumulei bastante sujeira em minha mente; sendo assim, é chegada a hora de eu por mãos-a-obra  e limpar a minha mente, finalizando, imediatamente, as tarefas pendentes mais urgentes e importantes.

          Todo final de ano, costumamos prometer para nós mesmos, que no próximo ano tudo será diferente, que entraremos na academia para modelar nosso corpo, que nossa alimentação será mais saudável, que seremos capazes de manter nosso controle emocional diante de clientes desagradáveis, colegas chatos, subordinados reativos e sem comprometimento, além dos chefes autoritários e prepotentes,  entretanto, entra ano, sai ano,  e as coisas continuam quase do mesmo jeito, percebemos que pouca coisa mudou, e o pior de tudo, é que quando não conseguimos cumprir os acordos que firmamos com nós mesmos, o estresse aparece.

          A tudo que resistimos persiste. É importante que tenhamos uma idéia clara acerca de quais sejam as nossas prioridades. O momento é agora! Sejamos, pois, generosos para com o futuro dando o melhor de nos no momento presente, e tudo ficará cada vez mais fácil e  melhor em nossas vidas.
          Aos invés de nos preocuparmos apenas em administrar o tempo, é  melhor que comecemos a gerenciar nossa mente, e ocupar nosso precioso tempo nos policiando em relação aos nossos pensamentos, palavras e ações.
         As pessoas ficam esgotadas pelos seguintes motivos:
        - desperdício de energia, pela falta de iniciativa em fazer as coisas acontecerem através de comportamento proativo;
        - pelo excesso de tarefas inconcluidas;
        - falta de organização de lembretes de assuntos pendentes;
         - por deixarem de fazer um inventario completo em relação à hierarquia de relevância de seus objetivos e compromissos.
         Ao me perguntar: Qual a relevância do meu trabalho para os mim e para as pessoas que me são importantes, e  também para a sociedade? O que mais importa para mim? Porque eu estou neste planeta? Qual meu propósito de vida?
          Eu começaria respondendo que a produtividade em meu trabalho é algo importante na medida em que consigo produzir mais com menos esforço, para assim, tornar-me um elemento útil  para a sociedade.
          Já, a motivação para o trabalho tende a aumentar, na medida em que aquilo que fazemos esteja alinhado com nossos valores e objetivos de vida. Tudo tende a melhorar na medida em que gostamos do que fazemos.
          Parece-nos que a “vida de verdade”, esta sempre prestes a começar, e os obstáculos que aparecem a todo instante, cria em nós a ilusão de que as coisas ainda não aconteceram, que a nossa hora ainda não chegou, porque teria algo importante  ainda por acontecer,  por haverem tarefas que ainda não foram finalizadas, ou até por existirem dividas que não foram pagas.
          Para que consigamos ter uma visão mais límpida em relação ao nosso desenvolvimento profissional e crescimento como ser humano, precisamos comecar limpando nosso quarto de bagunças, local onde quardamos as coisas que um dia fizeram parte de nossas vidas e de nossos familiares, já que as bagunça no nosso espaço físico tem reflexos em nosso mundo mental.
         Precisamos criar estratégias de desenvolvimento, pois, de nada adianta você ter um planejamento estratégico de vida e trabalho magnificos, se você não consegue sequer, limpar a edícula da sua casa ou o depósito da sua empresa.

          A administração saudável de sua mente abrirá espaço para a criatividade que é o fator primordial para a quebra de paradigmas paralisantes. Devemos  usar nossa inteligência emocional para conseguirmos manter relações humanas harmoniosas e salutares, para termos mais tempo livre com nossa família e amigos,  enfim, para podermos ter melhor qualidade de vida, com menos  ansiedade e estresse.






(Nelson Tanuma que é palestrante, professor e escritor, há mais de 10 anos vem ministrando cursos e palestras pelo CIESP/FIESP, Fundação Bradesco, SEBRAE-SP, Universidade de Mogi das Cruzes, Universidade Corporativa da ACMC e organizações diversas, seus artigos são publicados periodicamente em 15 veículos de comunicacão: jornais, revistas, periódicos, portais e sites diversos)

fonte:www.nelsontanuma.com.br

Jovem Empreendedor


DE OLHO NO JOVEM EMPREENDEDOR
 
O jovem brasileiro esbarra em diversos obstáculos quando o assunto é poupar. O imediatismo da vida moderna, o mercado de consumo, a publicidade e as facilidades para se adquirir determinado bem colaboram para que a nova geração muitas vezes não saiba a melhor maneira de investir ou economizar. Esses fatores se somam ao fato de que a educação financeira é algo deficiente no Brasil, passando longe das escolas, universidades e políticas de incentivo.
Diante disso, é comum que o jovem fique perdido entre poupar ou gastar. Resolver de que maneira usará seu dinheiro é uma decisão importante e irreversível. Em muitos casos, ele opta por aquilo que lhe parece satisfazer momentaneamente, sem pensar adiante ou prevenir-se para o futuro.
Comprar um carro, cursar uma universidade, intercâmbios e até conquistar seu primeiro milhão, são sonhos que requerem grandes investimentos, portanto, grandes economias. Então, como fazer para escapar ou minimizar as tentações e economizar?
         Primeiramente, o conceito de poupar requer disciplina. E pensar adiante é uma habilidade necessária para que os jovens possam transformar seu dinheiro em um investimento. Investir no mercado financeiro é uma opção rentável e conveniente para os jovens, apesar de ainda ser pouco incentivada. Em 1999, quando se iniciou a prática de operar via home broker no Brasil, a Título Corretora de Valores preocupou-se em estar à frente nesse projeto, e assim, contribuir para uma melhor educação financeira.
Através da plataforma Easynvest, oferecemos as ferramentas para que qualquer pessoa tenha a oportunidade de ingressar no mercado de investimentos. Isso significa uma abertura para qualquer tipo de investidor, seja ele grande negociante ou um jovem que estreia no mercado.
Nós percebemos, principalmente, o potencial da nova geração no mercado financeiro e mais uma vez, despontamos no mercado criando a promoção "Começando do Zero". A promoção possibilita que os jovens entre 18 e 23 anos ingressem nesse universo com custo zero em operações durante 12 meses, além de oferecer um curso online de introdução à conceitos de como poupar e investir com segurança.
Custo zero em operações significa que o jovem investidor já entra no mercado aplicando o valor que gastaria com corretagens, algo inédito no mercado brasileiro.  
Via home broker, o jovem que está ambientado com as ferramentas virtuais, tem a oportunidade de aprender e investir seu dinheiro desde cedo, podendo ter essa atividade em paralelo aos seus estudos e profissão.
Ao se interessar por esse universo, o jovem logo descobrirá que é possível transformar sonhos em realidade, sem grandes preocupações. A maturidade aponta no momento em que ele percebe que chegou a hora de dar novos saltos, pensando no futuro e em um envelhecimento tranquilo.
 
                                                               
Amerson Magalhães: Diretor do Easynvest desde 2007. Graduado em ciências econômicas e pós graduado em finanças. Atua em instituições financeiras há mais de 20 anos e participou da criação do Easynvest. www.easynvest.com.br 

  

terça-feira, 14 de dezembro de 2010

FOGO CRUZADO


*Por: Ricardo Collazo
Outro dia, assistindo a palestra de um grande amigo ele indagou o público sobre o que teria em comum em três filmes que foram sucesso: “O último Samurai”, “Gladiador” e “300”. O público rapidamente se motivou e participou com palavras como Liderança, União, Honra, Força, Estratégia, Perseverança, Motivação, Lealdade, mas ele disse que faltava algo mais importante e os participantes, sem mais ideias, ficaram esperando algo novo, positivo e que ninguém conseguiu acertar. Momento de silêncio na platéia, quando o palestrante diz: “todos morreram”. Foi algo como tomar um grande tapa na cara. No filme “O último samurai” só ficou um, o resto morreu, no “Gladiador” o personagem principal morreu, nos “300” morreram 299 e 1 ficou caolho. Risos na platéia. De que vale tudo o que foi dito sobre a mensagem dos filmes se todos morrem no final? Eu não quero ser lembrado depois de morto, eu quero ser lembrado em vida.
Fico muito triste em saber que mais um exército sucumbiu e deixou de existir. Sim, amigo leitor, estamos aqui de volta a nossa realidade, o mercado de Distribuição de Informática do país. Mais triste ainda fico em saber que por alguns anos fui um soldado daquele exército, fato que muito me honrou.
De certo todos têm uma opinião sobre os motivos que fizeram aquele e tantos outros distribuidores, que não estão mais conosco, deixarem de existir, a pergunta é: será que tudo paira em torno da questão da administração? Ou será que os distribuidores vivem literalmente em uma guerra, onde um erro pode ser fatal?
Como combatente do canal de distribuição, posso afirmar que estamos em meio a uma guerra. E para nós não têm moleza, não. É FOGO CRUZADO: de um lado as revendas que sabem muito bem trabalhar um distribuidor contra outro, e do outro lado os fabricantes que nos apertam cada vez mais.
Se pudéssemos parodiar e dizer que munição é igual à margem, então eu diria que estamos chegando ao fim. O estoque é nosso, o risco de crédito é nosso, o RMA é nosso, a logística é nossa, as metas são nossas, o investimento em novos CD´s para poder atuar em uma região por conta da questão tributária é nosso, e a margem para pagar tudo isso não é nossa!
Como podemos condenar aquele distribuidor que tentou investir em outro negócio, lançar a sorte em outro mercado, para tentar melhorar seu ganho? Poderia ter dado certo.
Enfim, meus amigos, viva nossos companheiros da ABRADISTI (Associação Brasileira de Distribuidores de Tecnologia da Informação), que possamos realmente nos unir para ter mais Força, mais União, só não vale ser igual aos filmes citados neste texto, queremos sobreviver e perenizar nosso negócio.
*Ricardo Collazo é Diretor Comercial e de Marketing da Tecmach.