quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

Cobrança indevida


A Justiça e Você

Esta coluna é um serviço de utilidade pública da Amaerj (Associação dos Magistrados do Estado do Rio de Janeiro) e da Revista Partes.

Cobrança indevida

Com o fim do ano chegando, os eventos comemorativos convidam às compras. Nessa época torna-se mais frequente o uso dos cartões de crédito e o consumidor deve ficar atento no instante em que receber sua fatura para não correr o risco de pagar por compras não realizadas.

Aoreceber uma cobrança indevida, a primeira coisa a se fazer é entrar emcontato com a administradora do cartão e informar o problema, solicitanto um formulário de contestação para estorno. Algumas operadoras disponibilizam oserviço online. O cliente deve explicar que não reconhece a dívida e a  partir deste momento a cobrança já deve ser suspensa. É importante solicitar o número do protocolo do atendimento e anotar a hora da ligação e nome de quem o tenha atendido.

Caso o estorno não seja realizado, pode-se recorrer aos órgãos de defesa do consumidor e exigir a devolução dos valores em dobro. Vale ressaltar que, se a quantia indevida não for paga, o nome do consumidor não pode ser inscrito em cadastros de proteção ao crédito, como o Serasa.

terça-feira, 20 de dezembro de 2011

Artigo: Relacionamento interpessoal

Relacionamento interpessoal
“Relacionamento é tudo. Ou quase tudo”
Profº Marcelo Veras
foto Arquivo Pessoal
 
Por Marcelo Veras*

Com este artigo, inicio um novo ciclo de reflexões sobre mais uma competência comportamental que, como se diz por ai: “desde que o mundo é mundo”, tem ocupado uma posição de destaque entre as competências responsáveis pelo sucesso de pessoas na vida pessoal e profissional. É o famoso Relacionamento interpessoal.

Como um belo exemplo de pessoa tímida, caseira, que não gosta muito de eventos sociais e que não nasceu com o chip das pessoas bem relacionadas que têm a almejada virtude de fazer amigo até em fila do cinema, eu acreditava (equivocadamente), por muito tempo, que se fizesse o meu trabalho bem feito, no prazo e com qualidade, o meu futuro estaria garantido. Profundo erro, descoberto logo nos meus primeiros anos de carreira.

Confesso que sofri muito quando vi pessoas que considerava bem medianas obtendo êxitos e alçando voos bem altos devido a uma belíssima capacidade de se relacionar bem. Devo confessar que – por muitas vezes – atribuí a estas pessoas o apelido de “puxa saco” ou engrossei o coro que defendia que este pessoal só se dava bem porque eram “políticas demais”. Mas que “se espremesse, sairia pouca coisa!“

Com o tempo, a idade e principalmente depois da pesquisa que conduzimos na ESAMC com líderes empresariais, vi que esta competência é muito mais simples e “honesta” do que vislumbrava. Abandonei as teses que hoje constam nos livros sobre Networking e passei a ver esta competência como algo mais nobre e menos hipócrita do que se vende por aí.

A definição mais moderna e que deu esta nova visão é: Capacidade de interagir e de criar rede de contatos de forma construtiva. Esta simples frase, se compreendida no seu texto e contexto, pode fazer uma revolução na carreira de uma pessoa. Para isso acontecer, duas premissas devem ser observadas. Veja se você consegue atendê-las. Caso contrário, nem valeria a pena ler os meus próximos seis artigos, porque elas serão a base para o desenvolvimento da mesma.

1 – Acreditar que bons relacionamentos representam o ativo mais importante que uma pessoa pode ter. Bons relacionamentos geram negócios, amizades, promoções, apoio, ajuda em momentos difíceis e alegrias.

2 – Acreditar que é possível, independente das suas características de personalidade, construir e desenvolver uma rede de contatos baseada no crescimento mútuo.

Se você comprar, pelo menos por hora, estas duas “verdades”, ficarei feliz porque você vai colher bons frutos no médio e longo prazo com o desenvolvimento desta competência. Além disso, verá que é muito legal fazer um tipo de “poupança” que poucos fazem: a “poupança dos apoios formais e informais”. Quem tem esta conta no banco, raramente se vê em um mato sem cachorro e sempre terá o apoio que precisa para os seus projetos.

Como de costume, vou tratar desta competência com base nos seus atributos, aquelas habilidades que tangibilizam a mesma no dia a dia. Posso citar: Gostar e ter interesse de se relacionar, Montar uma rede de contatos, Desenvolver e perenizar a rede de contatos montada, Interagir com a rede de forma construtiva e preocupado(a) com o crescimento do outro, Saber ouvir e, por último, Possuir empatia. São seis atributos. Seis habilidades que vão exigir alguma disciplina e o investimento de algum tempo, dinheiro e energia. Mas, garanto, este investimento tem um dos maiores retornos que já vi até hoje.

Por hoje, fique com a frase de destaque: “Relacionamento é tudo. Ou quase tudo”. Pense nela. Reflita sobre as pessoas que você conhece e conheceu. Analise casos de pessoas próximas a você que, devido aos seus relacionamentos, conseguem atalhos importantes na carreira e na vida. Será que isso é mesmo uma anomalia de incompetentes ou uma virtude de inteligentes? Até o próximo.

*Vice-presidente Acadêmico da ESAMC. Associate Partner da AYR Consulting – Consultoria de Inovação. Sócio-diretor da PRIME Educacional – Franqueada ESAMC. Professor de Marketing, Estratégia e Planejamento de Carreira do MBA da ESAMC. Palestrante e consultor de empresas nas áreas de Gestão de Carreiras e Marketing.

quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

Coaching: O que fazer em 2012?


Por Isaac Pinski*

Imaginemos dois irmãos, solteiros, entre 30 e 35 anos, ambos formados em informática e amantes da música. Um faz dela o seu meio de vida e se torna músico profissional. O outro faz da música um hobby e se torna um profissional de TI de relativo sucesso, trabalhando como funcionário de uma organização que está exaurindo as suas energias, mas que lhe tem proporcionado promoções e crescimento material.

O primeiro preocupa sua família, que vê em sua escolha um comportamento imaturo e irresponsável, convencida de que a música não sustenta ninguém. O segundo atende às expectativas familiares através de uma escolha profissional sólida e segura.

O primeiro dos irmãos busca trabalhos esporádicos em bandas que se apresentam em sua cidade, evitando viagens e mudanças que, ao seu ver, prejudicariam a sua qualidade de vida.

O segundo cogita buscar ainda maior segurança, e se prepara para prestar um concurso público, pois acredita que, como funcionário público, terá uma vida mais tranqüila e garantirá seu futuro. A atividade que esse jovem exercerá, se aprovado, e sua realização com o trabalho público são, de longe, aspectos muito menos relevantes para ele do que a questão da segurança material.

Dois irmãos e duas posturas quase opostas em relação à vida e ao futuro. Um pode ser visto como romântico e irresponsável, o outro como materialista e pragmático. Quem está certo? Quem está errado?

Até que ponto é sensato despender tanto esforço, recursos e sacrifícios para se graduar em um curso superior para jogar pela janela tais conhecimentos sem nunca ter dado oportunidade de descobrir se é possível obter sua realização exercendo tal profissão? Num mundo ávido por resultados imediatos e por jovens geniais e multimilionários será que ainda há espaço para o desenvolvimento de uma carreira tradicional?

A impressão que se tem, observando o comportamento humano com o apoio das técnicas do coaching, é que as pessoas estão ficando sem referências e sem rumo. Desperdiçam seu tempo e seu talento. E pior, tornam-se pessoas infelizes e inseguras. E embora isso aconteça em todas as idades, é mais freqüente entre as pessoas com menos de 40 anos.

Nessas horas e para essas pessoas o coaching conduzido por profissionais éticos e competentes pode ser extremamente útil ao ajudar o indivíduo a definir seu norte e desenvolver formas de atingi-lo, suportando-o durante todo o processo. E o nosso herói decidirá seu caminho pela arte ou pela informática, pelo empreendedorismo ou pelo funcionalismo público, utilizando ou descartando seus conhecimentos adquiridos no curso superior. Mas com a convicção de quem sabe o que quer fazer em 2012.

Isaac Pinski é sócio-diretor da Pinski Consultoria, empresa focada em gestão empresarial. Com mais de 30 anos de experiência em diagnóstico organizacional, análise de processos, planejamento estratégico, logística integrada e comunicação interna. O executivo é Mestre em Administração pela FEA-USP, certificado como Coach pela Sociedade Brasileira de Coaching e engenheiro aeronáutico formado pelo ITA.