terça-feira, 31 de março de 2015

A importância do planejamento estratégico de vida e carreira


*Alexander Baer
Planejar é preciso! Identificar, estar preparado, aproveitar as oportunidades e defender-se das ameaças! Planejamento estratégico é o grande diferencial para a o profissional que deseja obter mais sucesso em sua vida e carreira.
Os profissionais precisam hoje ter um rumo, uma visão de futuro para que possam, assim, buscar e alcançar todos os resultados almejados. Resumindo: estar preparado é fundamental para aproveitar o agora e o depois!
Fundamentalmente a análise do ambiente externo (cenários, oportunidades e ameaças) deve ser altamente conhecida, bem como a análise do ambiente interno (forças/pontos fortes e fraquezas/pontos fracos), para que os profissionais possam estar preparados para aproveitar as oportunidades e se defender das ameaças (os concorrentes, por exemplo).
Para os profissionais, fazer um balanço dos resultados de sua vida pessoal e profissional nem sempre traz dados satisfatórios. O motivo? Falta de planejamento e muito foco em apagar incêndios do dia a dia.
Todo profissional deve ter um rumo definido em sua carreira. Porém, não são todos que entendem a importância de definir suas próprias estratégias, objetivos e metas. Sem saber que rumos dar à sua vida e carreira, o profissional deixa o desenvolvimento e o crescimento à mercê do destino e da empresa em que trabalha.
Infelizmente, poucos sabem que o segredo para o sucesso é o planejamento estratégico de vida e carreira. Por isso, quando for estabelecer os planos para sua marca, o profissional precisa pensar a curto, médio e longo prazos. Quando se planeja, é possível contemplar o futuro e estar muito mais preparado para aproveitar as oportunidades e defender-se das ameaças do mercado, afinal, esse profissional estará muito mais focado e ciente de suas habilidades.
Planejar estrategicamente não é uma missão impossível. Para isso, é necessário seguir três passos, independente do nível hierárquico em que se encontra. São eles:
O primeiro passo é definir para onde se deseja ir. Essa ação descreve o direcionamento que o profissional deseja dar para sua vida e carreira. Para isso, deve definir, respeitar e seguir a sua visão, missão, seus valores e  códigos de ética, pois os valores de um profissional dão suporte à sua missão (o que ele faz hoje) e rumo à sua visão (o que ele quer ser) de futuro.
O segundo passo é um diagnóstico atual do profissional. Aqui, é preciso analisar profundamente o ambiente externo em que ele se encontra (seja a empresa em que trabalha ou o mercado lá fora) e seu ambiente interno (conhecer a si mesmo). Ao conhecer melhor o ambiente externo, é muito mais fácil distinguir e lidar com suas oportunidades e ameaças. Já a avaliação do ambiente interno também é de extrema importância, pois permite o aprimoramento de seus pontos fortes/forças e a correção de seus pontos fracos/limitações.
Depois de estabelecer os rumos de sua vida e carreira e diagnosticar sua atual situação, o profissional deve definir as ações para a expansão de mercado e diferenciação. Esse é o terceiro passo do planejamento. Aqui, o profissional pode, por exemplo, desenvolver estratégias para vender mais para os mesmos clientes, conquistar novos mercados, oferecer novos produtos e serviços, além de buscar a diversificação. Deste modo, o profissional torna-se único para o mercado e fica muito mais satisfeito, com muito mais sucesso e resultados altamente positivos.
É importante salientar que planejamento estratégico é fundamental para todos os profissionais que queiram ter sucesso em suas vidas e carreiras! Mas, como saber se o objetivo planejado é possível?
Simples! Quando se tem o rumo certo e a análise do mercado, o profissional sabe o que pode fazer para alcançar o sucesso. Ou seja, ter um claro plano de ação onde ele saberá o que, quando, onde, por que e quem é o responsável (ele mesmo), além de como fazer e quanto irá custar, além de deixar a si mesmo muito melhor preparado para as oportunidades e adversidades do mercado, trará mais segurança e força para ir além.
Dessa maneira, só não conquista o sucesso quem não quer!
*Alexander Baer é Presidente da Alexander Baer e Associados, Palestrante Profissional, Professor Convidado do MBA da Fundação Getúlio Vargas e Fundação Getúlio Vargas Corporativa, e também Coach Estratégico®, com atuação nacional nas áreas de Planejamento Estratégico Organizacional e de Vida e Carreira. www.alexanderbaer.com.br

terça-feira, 3 de março de 2015

Dia Internacional da Mulher: ainda há poucos motivos para comemorar


* Por Bibianna Teodori
Com cada vez mais espaço no mercado, a mulher de hoje tem muitas outras preocupações e tarefas além das já conhecidas responsabilidades de mãe, profissional, esposa e dona de casa. Mas, ao mesmo tempo em que ganhou o mundo, a mulher precisa encarar desafios incompatíveis em pleno século XXI.
Os principais ainda são a equiparação salarial, o maior respeito e a busca por oportunidades em cargos de alto escalão. Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), apenas 13% das mais de 8 milhões de empresas existentes no País têm profissionais do sexo feminino ocupando funções na direção.
Historicamente é possível observar a tentativa de equidade salarial e ocupacional entre os gêneros. Entretanto, mesmo com dispositivos legais atuando de forma a criar meios de garantir a inserção feminina no mercado, com rendimento equivalente ao do homem, não é o que vemos na realidade.
Romper com a divisão sexual do trabalho sempre foi uma luta do movimento feminista. Porém, num cenário de crise capitalista como o atual, colocar este tema no centro do debate é estratégico para combater as desigualdades.
O estabelecimento de igualdade de direitos entre homens e mulheres está diretamente relacionado com o desenvolvimento das sociedades. Sem isso, não é possível existir desenvolvimento sustentável. A contribuição feminina é indispensável. Não bastam os exemplos de tantas empresárias, tomadoras de decisões, trabalhadoras e líderes?
Defender a igualdade é tão importante como combater a violência doméstica ou capacitar populações de baixa renda. Desde a escola deve ser ressaltado que os direitos devem ser iguais, assim como as oportunidades e o desempenho.
Algumas medidas simples, mas eficazes, que podem ser tomadas:
1. Incentivar ações que estimulem a mulher a buscar alternativas de geração de renda
2. Educar filhos e filhas para que eles realizem, com igualdade, o trabalho do dia a dia em casa;
3. Eliminar crenças limitantes e expressões que sejam contra a dignidade da mulher ou que a coloque em situações de inferioridade;
4. Denunciar (realmente!) casos de violência, abuso e exploração sexual contra crianças e adolescentes;
5. Não valorizar e não comprar produtos que explorem o corpo da mulher em sua comercialização, exigindo o cumprimento da regulamentação publicitária e fortalecendo o sentido crítico da sociedade.
6. Divulgar de forma mais efetiva os centros de atendimento para mulheres, onde elas podem denunciar a violência e ter um acompanhamento físico e psicológico.
O coaching, por exemplo, ajuda no desenvolvimento e na quebra de paradigmas. Isso tanto em ações pessoais quanto em empresas, focando sempre o sucesso. Mas, para que essas alterações ocorram , é preciso:
- Definir uma ação
- Definir um plano
- Adicionar os recursos necessários para conquistar metas e eliminar obstáculos ou limitações.
- Analisar a congruência e os aspectos éticos.
- Avaliar impactos ou riscos.
O processo de coaching parte do princípio de que a responsabilidade pela mudança deve ser assumida por quem está perseguindo seus objetivos. Através do coaching, as mulheres passam a se conhecer melhor, a se dar valor, a absorver aprendizados, a refletir e a promover mudanças que alavanquem a performance.
Na vida, dificilmente as pessoas conseguem obter o que querem porque se deixam levar por acontecimentos e se tornam prisioneiras do tempo e das reivindicações dos outros. Nunca dão o primeiro passo para decidir o que realmente querem, seja com relação ao tempo, ao trabalho, às relações e, sobretudo, a si.
É preciso que a mulher aprenda a lidar com os desafios com mais leveza, com foco voltado para as soluções dos problemas. Conscientes de seus recursos, talentos, forças, competências, crenças, valores, missão e legado, elas estarão potencializadas e saberão do verdadeiro papel.
Mulheres, lembrem-se: somos as únicas responsáveis pelas nossas vidas. Somos as únicas responsáveis pelo que somos! Vamos mudar, exigir respeito, quebrar paradigmas e acreditar!

* Bibianna Teodori é Executive e Master Coach, idealizadora e fundadora da Positive Transformation Coaching. Autora do livro “Coaching para pais e mães – Saiba como fazer a diferença no desenvolvimento de seus filhos” e coautora de "Coaching na Prática - Como o Coaching pode contribuir em todas as áreas da sua vida”. www.bibiannateodoricoach.com.br